Publicidades

23/09/2020 | 23:32 | Esporte

Com gol de Pepê, Grêmio vence Gre-Nal 427 pela Libertadores e amplia invencibilidade no clássico

Equipe de Renato Portaluppi chegou ao décimo confronto seguido sem perder para o rival

Staff Images / Conmebol/Divulgação


A tônica deste 2020 se repetiu no Beira-Rio. Se o Grêmio tem problemas, um Gre-Nal resolve. Nesta quarta-feira, pela quarta rodada da Libertadores, o time de Renato Portaluppi superou o de Coudet pela quarta vez no ano, em cinco jogos. Um gol de Pepê aos 28 minutos do segundo tempo decidiu o 1 a 0 que garantiu ao Tricolor os mesmos sete pontos do Inter após quatro rodadas no Grupo E. O resultado subiu para 10 a sequência invicta sobre o rival.


Houve até mais surpresas na escalação do Inter do que na do Grêmio. Coudet, que já não tinha Edenilson e Moisés, suspensos, perdeu até Uendel positivado para covid-19. Precisou ir com Matheus Jussa como lateral-esquerdo. No meio, contou com a volta de Marcos Guilherme, recuperado de lesão, substituindo Patrick, que ficou no banco, recheou o setor com Musto e Lindoso. 


Renato manteve a esperada formação com o tripé de volantes à frente da zaga, com Lucas Silva, Darlan e Matheus Henrique. A defesa, aliás, que não tinha os suspensos David Braz e Paulo Miranda, também não teve Geromel, lesionado. Rodrigues foi o parceiro de Kannemann, igualmente recuperado. Orejuela e Cortez reapareceram nas laterais. Pepê voltou ao ataque, pelo lado esquerdo.


Os primeiros minutos do Gre-Nal foram de avaliação e entendimento de parte a parte do que a partida ofereceria. Parecendo mais habituado à forma de jogar, o Grêmio teve mais iniciativa ofensiva, ainda que contida. Foi jogando pela direita que chegou. Aos sete minutos, Orejuela entregou para Alisson, mas o passe foi forte demais, e o atacante gremista chegou dividindo com Zé Gabriel e concluiu sem perigo para Lomba.


A leve superioridade gremista não tinha contundência, mas deixava o Inter desconfortável. Sem conseguir segurar a bola na frente, quando não trocava passes entre defensores e Marcelo Lomba, tentava chegar à frente por meio de lançamentos, que pouco rendiam. O time de Renato buscava o jogo pelo chão e até conseguiu uma falta, que gerou cartão amarelo a Lindoso. Mas não teve aproveitamento na cobrança.


Lance de perigo, mesmo, só aos 27 minutos. Pepê foi lançado às costas de Saravia. O lateral fez o desarme, mas demorou para afastar e perdeu a bola. O atacante entregou a Alisson, que ajeitou e bateu por cima.  


Três minutos depois, a primeira conclusão do Inter. Boschilia roubou a bola no campo de defesa e deu a Musto. O volante acionou Marcos Guilherme, pela direita, que arrancou, levou e arriscou da intermediária. O chute foi fraco e sem direção.


O goleiro do Grêmio só tocou a bola com as mãos aos 35. Em jogada pela esquerda, Marcos Guilherme superou Rodrigues e cruzou. Galhardo finalizou fraco, na mão de Vanderlei. No minuto seguinte, a primeira polêmica da noite. Galhardo passou de letra para Hernández, que dividiu com Kannemann. A bola voltou para o atacante colorado, que se embolou com Rodrigues. Patricio Loustau, próximo ao lance, não assinalou pênalti.


Depois deste lance, o primeiro tempo se arrastou até o intervalo. Os times voltaram do vestiário sem modificações.


O começo do segundo tempo até teve uma tentativa colorada. Saravia foi à linha de fundo, cruzou e Galhardo arriscou uma bicicleta. Longe.


Nos 10 minutos iniciais, inverteu-se o cenário do primeiro tempo. O Inter apareceu mais à frente, trocou passes no campo de ataque e tentou oferecer mais perigo, mas sem levar vantagem sobre a defesa gremista. Aos 12, a melhor chance do jogo. Matheus Henrique perdeu a bola no meio do campo, Abel Hernández entregou para Boschilia, que cruzou no segundo pau. Thiago Galhardo apareceu sozinho e cabeceou. Vanderlei fez grande defesa e deu sorte que o rebote não sobrou  para Abel, que entrava pelo meio.


O Grêmio criou uma boa oportunidade para concluir aos 14. O jogo se concentrava do lado esquerdo do ataque tricolor e girou para a direita, onde estavam Alisson e Orejuela contra Jussa. O atacante deu ao lateral, que invadiu a área, mas em vez de chutar, tentou cruzar. Errou tudo. Apesar de pouco perigo, o lance inverteu o cenário, encorajando o Grêmio e retraindo o Inter.


Novamente pela direita, o Grêmio teve, essa sim, uma grande chance. Aos 22, Diego Souza lançou Pepê, que partiu em velocidade pela direita. Na frente do goleiro, ele tentou de cavadinha, mas pegou mal na bola e jogou à direita da trave. Mais uma vez por lá, Alisson avançou, entrou na área e chutou rasteiro, cruzado, ao lado da trave.


A superioridade do Grêmio se transformou em gol aos 28 minutos. Pepê recebeu próximo à meia lua, à esquerda. Com espaço, ele conduziu para o meio e mandou, com efeito. A bola venceu Marcelo Lomba e estufou a rede: 1 a 0.


A partir do gol, o Inter criou coragem e teve duas chances. Na primeira, aos 30, Abel Hernández ganhou de Rodrigues no corpo e deu de bicicleta. A bola quicou e estourou no peito de Vanderlei. No lance seguinte, Boschilia abriu espaço pelo meio e chutou de direita, a poucos centímetros da trave. Ato contínuo, Coudet mandou o time à frente: tirou Lindoso e Marcos Guilherme, colocou D'Alessandro e Leandro Fernández. 


O Grêmio levou perigo em contra-ataque pela direita, com Alisson tenando cruzar e fazendo Lomba salvar. O Inter respondeu em falta cobrada por D'Alessandro que Thiago Galhardo cabeceou para fora. Renato tratou de mudar as peças: saíram Pepê, Diego Souza e Darlan, colocou Robinho, Luiz Fernando e Isaque. 


O Inter tentou, sem forças, buscar o empate. O Grêmio, como fez em todos os Gre-Nais que teve vantagem, administrou. Nas duas últimas rodadas, o Inter precisará buscar pontos fora de casa. O Grêmio terá a Arena como aliada para confirmar a vaga.

Fonte: GZH

Mais notícias desta categoria

Publicidades


Mario Junior designer